Fórum Online - Dia Internacional de Atenção à Gagueira

Aspectos Auditivos da Gagueira: Avaliação e Tratamento
por Ana Maria Schiefer


De 16 a 22 de outubro de 2005

Introdução: No campo das desordens da fluência da fala, a gagueira é o quadro mais reconhecido e estudado.É uma desordem muito complexa e de difícil definição. Entretanto, a maioria dos ouvintes é capaz de reconhecer quando alguém está gaguejando ou não. Muito provavelmente, isto se deve principalmente à escuta das disfluências que caracterizam a fala de um indivíduo que manifesta gagueira. Tal fato sugere que a ocorrência de disfluências é um dos aspectos mais importantes para a identificação da gagueira, sendo por isso, mais diretamente, associada ao plano da execução motora da fala. Entretanto, uma observação mais atenta das disfluências revela que estas não ocorrem ao acaso na fala do indivíduo gago, mas dentro da estrutura lingüística do enunciado. É de consenso na literatura, que há uma variedade de fatores que podem afetar a probabilidade das disfluências ocorrerem, tais como: lingüísticos, laríngeos, motor, auditivo, entre outros. Não é uma tarefa fácil compreender como estes fatores contribuem para as disfluências na fala.

Estudos têm investigado diferentes aspectos do mecanismo de fala, incluindo o sistema auditivo. Alguns pesquisadores têm levantado a hipótese de que a gagueira poderia ser o resultado de erros de como o indivíduo houve sua própria fala. Outros têm realizado especulações a partir do modo pelo qual indicadores auditivos alteram as rupturas na fala dos gagos, como por exemplo, a melhora na fala sob condições de feedback auditivo atrasado ou de mascaramento. Esses indicadores têm levado inúmeros pesquisadores a enfocar a integridade funcional do processamento auditivo central e periférico nos gagos, comparativamente com os falantes fluentes (Curry e Gregory, 1969; Hall e Jerger,1987; Tosher e Rupp, 1978;Kramer et al,1987; Maiorino, 1993; Schiefer, et al, 1999; Andrade e Schochat, 1999; Gil, et al, 2004, 2005), entre outros. Esses trabalhos visam relacionar o desenvolvimento da audição à fala disfluente. De acordo com Musiek, 2000, estudos com processamento auditivo visam compreender como as orelhas comunicam-se com o cérebro e como o cérebro compreende o que os ouvidos lhe contam.

Processamento auditivo é o termo utilizado para se referir a serie de processos que envolvem predominantemente as estruturas do sistema nervoso central (vias auditivas e córtex). A desordem do processamento auditivo é um distúrbio da audição no qual há um impedimento da habilidade de analisar e/ou interpretar estímulos auditivos (Pereira, 1997).

A avaliação do processamento auditivo permite o diagnóstico do processo gnósico auditivo do indivíduo. Ela tem sido utilizada através da aplicação de testes comportamentais que mostram o desempenho do indivíduo frente à solução de uma tarefa difícil. Na clínica fonoaudiológica, este procedimento tem sido complemento da avaliação de diferentes desordens da fala e da linguagem e auxiliar no planejamento da reabilitação.

A seguir, para exemplificar os pressupostos teóricos acima discutidos apresentaremos um estudo recente realizado com foco nas habilidades auditivas.

Objetivo: Esta apresentação visa contribuir, por meio dos achados fonoaudiológicos, para uma melhor compreensão dos aspectos de natureza auditiva em indivíduos que manifestam gagueira. Método: Foram selecionados 11 indivíduos com diagnóstico de gagueira na Avaliação Fonoaudiológica, oriundos de um ambulatório de atendimento fonoaudiológico público (Hospital Universitário), durante o 1º semestre de 2005. Os participantes (7 homens / 4 mulheres) tinham idades entre 10 e 35 anos. Na avaliação da audição, todos apresentavam acuidade auditiva dentro dos padrões de normalidade. Os testes para avaliação do processamento auditivo foram selecionados e analisados de acordo com a idade do participante e a proposta de Pereira & Schochat, 1997.

Resultados: Dos 11 indivíduos investigados 10 (91%) apresentaram alteração na avaliação comportamental do Processamento Auditivo, sendo 3 sem alteração de grau, 3 de grau leve e 5 de grau moderado. Os processos gnósicos que se mostraram mais freqüentemente prejudicados foram: decodificação (100%), não verbal (80%), codificação (40%) e organização (20%). Cabe ressaltar, que em todos os casos, foi observado envolvimento de dois ou mais processos gnósicos auditivos, sendo que apenas um deles foi classificado com distúrbio do desenvolvimento da audição. A categorização para classificar as desordens do processamento auditivo e melhor conduzir as habilidades que deverão ser enfatizadas na terapia fonoaudiológica, foi proposta por Pereira, em 1997.

Neste estudo, não foi possível verificar correlação entre o grau de alteração da fluência, verificado por meio do protocolo SSI-3 Stuttering Severity Instrument (Riley, 1994), e o grau da desordem do Processamento Auditivo, neste grupo de indivíduos.

Conclusão: Pela tendência das alterações encontradas nas avaliações realizadas, acredita-se que há uma correlação entre o processamento das informações auditivas e a gagueira. Os dados obtidos são semelhantes aos encontrados no estudo realizado por Schiefer e Pereira, em 1999. Entretanto, em continuidade aos estudos já realizados na área auditiva, acredita-se que outras investigações devam ser conduzidas para ampliar o conhecimento.

O desenvolvimento e o aperfeiçoamento das habilidades auditivas podem contribuir para a reabilitação de indivíduos com alteração da fluência, já que o prejuízo da análise auditiva mostrou-se muito freqüente.

Com base nos pressupostos teóricos aqui discutidos e nos achados fonoaudiológicos observados, acredita-se que o processo terapêutico de indivíduos com diagnóstico de gagueira e alteração do processamento auditivo devem incluir tanto estratégias para treinamento das habilidades de fala (respiração, fonação, articulação e prosódia) quanto para treinamento das habilidades auditivas referentes aos processos gnósicos que se mostraram mais freqüentemente prejudicados (decodificação, não verbal, codificação, e organização). Desse modo, quando houver prejuízo do processo de decodificação, as habilidades auditivas de consciência fonológica (análise e síntese) associada à leitura deverão ser enfatizadas; quando houver prejuízo do processo não verbal (padrões temporais), os aspectos de intensidade e duração da fala deverão ser enfatizados; quando houver prejuízo do processo de codificação, o treinamento da linguagem no ruído (figura - fundo) deverá ser enfatizado; e quando houver prejuízo do processo de organização o treinamento da memória para sons em seqüência (sons verbais e não verbais) deverá ser enfatizado na terapia fonoaudiológica. Estes procedimentos poderão ser utilizados com crianças e adultos com diagnóstico de gagueira confirmado, durante o período necessário para minimizar as manifestações.

Para finalizar, cabe ressaltar que o conhecimento dos processos auditivos envolvidos na dinâmica da fala poderá ampliar a compreensão de como alguns indicadores auditivos alteram as rupturas na fala dos gagos e levar a uma melhora na terapêutica com indivíduos gagos.

Ana Maria Schiefer é fonoaudióloga (CRFa 2366/SP), doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela UNIFESP-EPM, professora do Curso de Fonoaudiologia UNIFESP-EPM e autora de capítulos de livros e artigos científicos.


Perguntas e Respostas


Nome ou iniciais: HELDER
Cidade/Estado: SÃO SEBASTIÃO DA BELA VISTA/MG
Profissão: MONTADOR DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h33min

Pergunta:
TENHO PROBLEMAS RESPIRATORIOS E GOSTARIA DE SABER SE ISTO INFLUENCIA NA MINHA GAGUEIRA?????? TENHO RINITE E ALERGIA A CHEIROS FORTES POREM ME ATACA MAIS NO PERIODO DO INVERNO.........PODERIA ME AJUDAR COM SUA RESPOSTA OBRIGADO


Resposta:
Caro HELDER,
Acredito que a respiração seja um dos aspectos mais importantes para a fala, portanto , para a gagueira também.

Exercícios que promovam a coordenação entre os aspectos :respiratórios , fonatórios , articulatórios e prosódicos , podem levar a uma fala melhor articulada , assim como , à diminuição da gagueira.

Entretanto , não vejo relação com os aspectos alergico relatadoss por você . Acredito que sejam problemas independentes.

Espero ter contribuido.
Profa.Dra. Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: Clarine Alves Pereira
Cidade/Estado: Paraisópolis/MG
Profissão: Estudante
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h33min

Pergunta:
Sra. Ana Maria, tudo bem? Nessa "tese" da senhora acima, disse que a gagueira pode ser por aspectos que dizem respeito a problemas auditivos. Eu, gaguejo, infelizmente (pois faz muito mal pra mikm), quando falo eu ouço minha voz, perfeitamente, quando eu penso nas palavras que irei usar, elas simplesmente "se prendem" na garganta. Não é problema físico na garganta, mas parece que alguma coisa não deixa as palavras saírem. Pode me explicar o problema? Por favor, espero a vossa resposta. Muito obrigada pela atenção.


Resposta:
Cara Clarine Alves Pereira,

A gagueira é uma desordem multifacetada.

Embora tenha escrito um texto sobre os "Aspectos Auditivos da Gagueira", é claro que entendo que são inúmeros os fatores que podem contribuir para sua manifestação. No texto, me concentrei apenas no auditivo.

Acredito na hipótese de que existam vários subtipos de " gagueira". Alguns destes, parecem ser de origem genética, outros mais idiopáticos (sem causa aparente), outros parecem ter um foco mais linguístico , laríngeo e outros , ainda, parecem ser um fenômeno mais motor.

Diante disso, cabe a nós ,fonoaudiólogos , investigar quais destes aspectos parecem ser relevantes para o indivíduo que nos procura.

Deste "ponto de vista" , podemos planejar uma terapia diferenciada.

Espero ter respondido sua questão.
Profa. Dra. Ana Maria schiefer



Nome ou iniciais: Amélia Paula Fávero Perrone
Cidade/Estado: Itupeva/SP
Profissão: Fonoaudióloga
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h34min

Pergunta:
Gostaria que sugerisse bibliografia para trabalhar prosódia com adultos e, principalmente crianças. Grata. Amélia


Resposta:
Cara Amélia Paula Fávero Perrone,

Sua pergunta não é fácil responder.

Provavelmente, devido a complexidade dos aspectos suprasegmentais da fala, ou seja , dos aspectos de duração, intensidade e entonação. Alguns destes parametros são de dificil definição, segundo a linguistica , outros nem tanto.

Não existe bibliografia específica com estratégias para trabalhar tais parâmetros . Entretanto, com criatividade podemos selecionar estratégias que trabalhem com variação destes aspectos.Sugiro consultar capítulos de livros de Voz ou de Processamento Auditivo. Boa sorte.

Profa. Dra Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: Claire
Cidade/Estado: Ilha Solteira/SP
Profissão: Auxiliar Administrativo
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h34min

Pergunta:
Minha filha tem 05 anos de idade, ela teve uma dificuldade enorme pra falar, ela vai na fonoaudióloga desde os 02 anos de idade desenvolveu bem sua fala na fonoaudióloga mas logo em seguida veio a gagueira no início pensamos que era apenas uns bloqueios mas continuou tem dias que ela esta ótima pra falar mas outros não, fico muito preocupada. Tem alguma outra maneira de melhorar isso?Sei lá algum tipo de exame, por favor me ajudem?


Resposta:
Cara Claire,

Segundo suas informações sua filha teve um atraso de fala.

As disfluências apresentadas por ela , provavelmente, são decorrentes do próprio processo terapêutico. A terapia provocou uma "recuperação da linguagem " e, por isso, ficou dificil coordenar todas as novas aquisições durante a fala encadeada.

Como voce relata ter antecedente genético para gagueira ,acredito ser necessário , agora, fazer um diagnóstico diferencial entre as "disfluências resultantes do processo terapêutico e a gagueira".Para tanto, a caracterização das disfluências , assim como, a frequência das rupturas deveriam ser buscadas.

Espero ter respondido sua questão
Profa. Dra. Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: Priscilla Silveira
Cidade/Estado: Natal/RN
Profissão: Fonoaudióloga
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h35min

Pergunta:
Prezada Ana Maria, achei interessante o estudo realizado, mas após a leitura ficaram alguns questionamentos, são eles:
1.Há indivíduos que possuem as alterações de processamento auditivo e, no entanto, não são gagos?
2.Na sua prática você tem obtido resultados significativos da efetividade deste treinamento de habilidades auditivas em sujeitos com gagueira?
3.E os sintomas não-observáveis presentes em todos os sujeitos gagos, inclusive o principal, a imagem de mau falante, como seria enfocado neste tratamento?
Agradeço antecipadamente, Priscilla Silveira


Resposta:
Cara Priscila,

1. De fato, há indivíduos que tem alterações do processamento auditivo e não são gagos, provavelmente, estes apresentam outras dificuldades de comunicação (sutis ou não).

2. Na clínica fonoaudiológica temos tido resultados positivos (c/ variação de indivíduo p/ indivíduo), com o treinamento auditivo em gagos. O treino isolado não leva a melhora da fala gaguejada. Este deve ser entendido dentro da dinâmica da fala, ou seja, em combinação com os outros aspectos da fala ( respiração, fonação, articulação, prosódia , etc).

3. Os aspectos (não lingüísticos) deveriam também ser enfocados dentro do contexto da terapia de gagueira.Devemos entender o indivíduo que manifesta o distúrbio em sua totalidade.

Espero ter respondido suas questões.
Profa.dra. Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: Irineu Pires
Cidade/Estado: Maracas/indefinido
Profissão: Empresário
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 15h35min

Pergunta:
Gostaria de saber mais informações sobre o tratamento e se realmente tem cura como já ouvir dizer em alguns site que andei lendo. Curiosidade porque quanto canto não gagueijo.


Resposta:
Caro Irineu,
A gagueira é um distúrbio de fala que pode ser reduzido ou minimizado.

Evito a palavra cura porque entendo que não é uma doença.

Existem vários programas de terapia para gagueira: com enfoque na dinâmica da fala ou com enfoque na própria gagueira. Acredito que a combinação de técnicas é o melhor.

Quanto ao canto, a explicação científica é dada pela especialização entre os hemisférios: direito (ritmo da fala ) e esquerdo (estrutura lingüística ).A fala seria comandada pelo HE e o canto pelo HD.

Espero ter respondido.
Profa. Dra. Ana Maria schiefer



Nome ou iniciais: Lizzie
Cidade/Estado: Duque de Caxias/indefinido
Profissão: Estudante de Enfermagem
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h35min

Pergunta:
Boa noite, gostaria de fazer um resumo da minha história pra ver se voces conseguem me ajudar! Essa história, meus pais me contaram,eu não me lembro, só sei que fiquei com marcas, a gagueira.Bom, estava no aeroporto com meu pai e ele se escondeu de mim, quado resolveu voltar depois de alguns minutos ele me viu em estado de choque, eu só chorava, nao falava e nem fazia nada.Quando chegamos em casa,e deparei com minha mãe, comecei a falar uma coisa atras da outra, e dai entao, minha fala já estava abalada. Fomos a psicólogos e a fonoaudiólogos, e todos disseram que o que meu pai fez, foi um susto que bloqueou minha fala, logo na idade que isso não podia acontecer, pois era a fase do desenvolvimento da fala, e ele bloqueou isso. Fiz várias sessões de fono, e confesso que de muito adiantou, pois eu realmente não falava uma frase sem gaguejar em todas as palavras.Isso mexeu muito comigo, todos me zoavam na escola, sempre me senti deixada de lado, principalmente quando era menor. Hoje ainda sinto muito é o preconceito das pessoas,elas nos olham e falam conosco,parece por obrigação. Fiquei até um tempo atras, muito revoltada com meu pai, pois eu colocava a culpa nele, sei que de certa forma foi, mas ele também nunca iria saber que estava me causando algum mal. Bom. agora tenho quase 20 anos,preciso me curar, estou quase indo pra faculdade, e só me pergunto o que será de mim, nos meus futuros seminários, nos trabalhos e até mesmo na vida pública. Nunca achei graça desse meu distúrbio na fala, muito pelo contrário, eu me reservo, deixo de fazer teatro que amo, falar em público, me expressar, por causa disso. E continuo anulando minha vida por causa disso. Pergunto à Deus as vezes, por que eu??? me ajude. Obrigada. Com amor,Lizzie Lenz Cesar


Resposta:
Cara Lizzie,

Através de sua história pude perceber que você necessita de uma avaliação fonoaudiológica com profissional mais especializado na área.

Além disso, acredito que você necessita de informações mais precisas sobre: O que é a gagueira? O que causa a gagueira? Como ela se desenvolve? Como ela pode se modificar? Estas informações podem ser "buscadas" em livros específicos de gagueira ou até pela Internet.

Em resumo, uma boa avaliação e informações "reais" da gagueira podem modificar a sua compreensão do distúrbio e favorecer o seu processo terapêutico.

Espero ter contribuído com as suas questões.
Profa. Dra. Ana Maria Schiefer.



Nome ou iniciais: Carlos Antonio Moraes
Cidade/Estado: Bebedouro/SP
Profissão: Operador de Computador
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h36min

Pergunta:
porque quando eu pego um livro para ler em voz alta sozinho eu gaguejo.. se eu ler em voz alta com alguma pessoa junto eu nao gaguejo ... a leitura sai normal queria saber qual o motivo .. o porque disso

Resposta:
Caro Carlos,

A gagueira se manifesta tanto na fala encadeada quanto na leitura.Quando você fala ou lê em voz alta, sozinho, as rupturas se manifestam, na maioria das vezes, com pouca variação. A melhora que você refere na leitura realizada em coro e em voz alta, provavelmente, se deve a modificação da sua dinâmica articulatória promovida pela leitura (em coro) do outro. Esta estratégia, muitas vezes, é utilizada no processo terapêutico pelos fonoaudiólogos.

Espero ter respondido sua questão.
Profa Dra. Ana Maria schiefer



Nome ou iniciais: Gustavo
Cidade/Estado: Chapecó/indefinido
Profissão: Designer
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h37min

Pergunta:
olá pessoal, eu as vezes gaguejo mas nao me considero uma pessoa gaga, pq em nem todos os momentos eu gaguejo... queria se eu fizer natação... q tem haver muito com a respiração, talvez ajudasse a me soltar mais, relaxar???

ou se puderem me indicar algo a mais pra me ajudar... agradeço
obrigado


Resposta:
Caro Gustavo,
A gagueira que você refere ter, provavelmente, é de grau leve. Por isso, você convive bem com "ela" nas atividades do cotidiano. Acredito que a respiração seja um dos aspectos mais importantes para a fala e , portanto, para a gagueira também.

Considerando que falar não é nadar, acredito que a natação pode lhe trazer vários benefícios, entretanto , não irá promover a redução ou diminuição da gagueira.

Espero ter respondido sua questão.
Profa. Dra. Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: Emerson
Cidade/Estado: Diadema/SP
Profissão: Programador
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 15h37min

Pergunta:
boa tarde minha pergunda e a seguinte, eu tenho este problema a muito tempo, mas so guaguejo quando fico empougado ou nervoso. sera que ainda tenho cura? tenho um filho de 2 e 6 meses a um mes atraz ele tambem começou e gaguejar, ainda nao levei ele ao medico pois nao sei onde procurar



Resposta:
Caro Emerson, A gagueira é um distúrbio de fala que pode ser reduzido ou minizado.

Evito utilizar a palavra "cura" porque entendo que não se trata de uma "doença". Como voce apresenta um componente hereditário para gagueira, acredito que seria interessante encaminhar seu filho para diagnóstico fonoaudiológico.

Para isso, existem locais para atendimento gratuíto (nas universidades publicas , tais como a UNIFESP e a USP; e atendimento privado ( consultórios).

Espero tem respondido sua questão.
Profa. Dra. Ana Maria Schiefer



Nome ou iniciais: PAULO SÉRGIO
Cidade/Estado: RIO DE JANEIRO/RJ
Profissão: EMPRESÁRIO DO RAMO DE INFORMÁTICA
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h38min

Pergunta:
QUERO SER CURADO, COMO PROCEDER?


Resposta:
Caro PAULO SÉRGIO,

A gagueira é um disturbio de fala que pode ser reduzido ou minimizado.Para isso, voce poderia procurar ,na sua cidade, um fonoaudiólogo especializado para avaliação e tratamento.

No Rio de Janeiro temos excelentes profissionais, tais como as Fga(s). Dra.Monica Brito Pereira e a Dra. Regina Jakubovicz. Atenciosamente,

Profa. dra. ana Maria schiefer



[ VOLTAR ]

Nome:      Email:      


Copyright © 2005/2017. Associação Brasileira de Gagueira - ABRA GAGUEIRA

powered by
ID360 NM