Fórum Online - Dia Internacional de Atenção à Gagueira

Como Eu Vejo e Como Eu Trato a Gagueira
por Regina Jakubovicz


De 16 a 22 de outubro de 2005

A aprendizagem é o processo pelo qual o comportamento é modificado pela experiência, o que implica que há a aquisição de uma resposta inteiramente diferente da anterior. Vejo então a gagueira como uma questão de aprendizagem, isto é, a pessoa que gagueja tem de aprender a falar de uma outra maneira. Essa é a visão que vários autores da escola Comportamental seguem, como Van Ripper 1971, Gregory H. 1979, Shames G. e Egolf D.,1976 e com a qual eu compartilho.

A gagueira pode ter sido aprendida por condicionamento clássico de Pavlov. Neste caso ela pode ser vista como uma resposta que foi associada a um estímulo. A gagueira seria aprendida por uma associação entre a exigência dos pais na hora que a criança começa a falar e o ato de falar. Por um mecanismo de associação a criança se condiciona e aprende uma resposta especifica: gaguejar sempre que for falar algo importante. Falar é então associado a: Tensão - Insegurança - Medo. Ela até pode não querer falar mais daquela maneira, mas não consegue, aprendeu desta maneira, está condicionada.

No tratamento ela terá de aprender a falar de outra maneira e readquirir confiança em sua maneira de falar, através de orientações aos pais e do trabalho de modificações da fala feita no consultório.

A gagueira também pode ter sido aprendida por condicionamento operante de Skinner. O esquema aqui será haver um estímulo para falar, em que há um reforço positivo ou negativo, dado pelo ambiente. O reforço negativo, como brigar com a criança na hora que ela fala, pedindo para repetir ou falar mais devagar, por exemplo será ou não aceito pela criança. O comportamento de gaguejar poderá então ser ou não extinto. Por outro lado, o reforço dado pelos pais ou o ambiente, poderá ser interpretado pela criança como válido ou positivo, caso ela estiver necessitando de atenção. O comportamento aqui será mantido. A criança aprende a gaguejar para conseguir atenção do ambiente ou ser super protegida por este.

No tratamento será utilizado o inverso do reforço dado pelo ambiente. O fonoaudiólogo irá dar recompensas verbais por toda frase ou discurso fluente, mas poderá também punir todo momento de gagueira pedindo para cancelar a fala e recomeçar de outra maneira. Poderá ser ensinado à criança um ritmo de fala diferente, que se reforçado pelos pais tem todas as chances de ser aprendido. A criança aprende hábitos com muita facilidade, feliz ou infelizmente....

O método de lidar com a gagueira como um aprendizado tem a vantagem de não se ater à causa da gagueira. Não há polêmicas em torno deste assunto. Já que não se sabe a sua causa, irá tratar-se diretamente e de modo objetivo o problema: eliminar o sintoma. No tratamento de adultos e adolescentes é usada a técnica de modelar o comportamento de gaguejar através de modificação feitas na hora que a gagueira acontece, ou seja, o paciente é orientado a interromper a fala logo depois de gaguejar e refazer sua maneira de falar. Será dado um modelo de falar modificado: soltando a respiração de modo controlado, sem prender os sons na garganta, sem tencionar os articuladores (lábios, língua, palato). A fala deve ser feita de modo suave e sem nenhum tipo de esforço. Resumindo, as técnicas de modificação da fala serão:

- cancelar ou interromper a fala sempre que houver uma gagueira
- pedir para fazer uma pausa e colocar a língua, ou lábios, ou as cordas vocais numa posição mais relaxada
- empurrar o ar para fora prolongando a palavra ou introduzindo um ar expirado
- dizer a palavra de novo e continuar com o discurso ou com a atividade que estava fazendo

Ao mesmo tempo em que se ensina a técnica da fala fluente, certas orientações sobre a ansiedade e o medo são passadas aos gagos, como:

- acabar com a vergonha de falar
- ter uma atitude objetiva discutindo abertamente o assunto gagueira
- não fugir das situações de fala, enfrentá-las
- aprender a controlar o medo na hora de comunicar-se
- não lutar contra a gagueira, mas aprender a controlá-la

O tempo médio de tratamento para adultos ou adolescentes é estimado como sendo em torno de 12 meses, um pouco mais, ou um pouco menos, tudo dependendo do envolvimento do paciente e do manejo das técnicas pelo terapeuta.

Em crianças o tempo médio é de 6 meses e aqui também depende do colaboração dos pais e da compreensão da criança.

Existe uma certa crença que a gagueira não tem cura. Se gaguejar é a interrupção do fluir do discurso e se a pessoa que gagueja passa a não ter mais interrupções no seu discurso, podemos dizer que ela não gagueja mais. Nesse caso ela não pode mais ser considerada gaga.

É preciso ter em mente que todos somos disfluentes, a gagueira então é uma questão da quantidade e de qualidade no modo de falar.

Regina Jakubovicz é fonoaudióloga (CRFa 906/RJ), doutora em Fonoaudiologia pelo Museu Social Argentino - Buenos Aires, professora da Universidade Estácio de Sá e do Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos no Rio de Janeiro e autora de livros e capítulos científicos.


Perguntas e Respostas


Nome ou iniciais: Dimas Aurélio Belo
Cidade/Estado: São Paulo/SP
Profissão: Administrador
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 15h41min

Pergunta:
Meu filho de 15 anos é gago. Com 4 anos teve o primeiro sintoma, que foi corrigido facilmente por uma fonoaudióloga. O sintoma voltou aos 7 anos e perdura até hoje. Parece-me que a ele não incomoda, mas nós como pais muito nos preocupa e nos dá ansiedade. Já fez sessões com pisicólogo e fonoaudiologa. Continua gago, principalmente quando está agitado. Como podemos resolver este problema o mais rápido possível. Grato Dimas e Eliane

Resposta:
Sr Dimas
Parece-me que depois de tantos tratamentos a pergunta importante a se fazer é : O que foi que falhou?

Podemos levantar algumas hipóteses sobre isso.

1. o tratamento fonoaudiologico - Mas logo respondo que não me parece ter sido aí a falha, já que ele resolveu isso com facilidade aos 4 anos.

2. o tratamento com a psicologia - Não há muito sucesso obtido em psicologia no tratamento da gagueira. Como não acredito que a causa da gagueira esteja no inconsciente, é provável que ele tenha melhorado alguns aspectos da personalidade mas não da gagueira.

3. Ele proprio - não sei se ele tem maturidade para entender o que significa gaguejar e as penalidades sociais que isso representa. É preciso que ele queira mudar, que ele deteste falar dessa maneira e que tenha um motivo do fundo de si proprio para modificar a gagueira.

4. os pais muito ansiosos e preocupados - Pode ser que essa preocupação e ansiedade atinja seu filho e ele luta com isso de 2 maneiras:

a) luta para não falar gaguejando para não desegradar os pais e essa luta acaba se transformando em esforço e dai para falar de modo tenso, prendendo o ar, os labios, fechando a garganta, é um pulo , o que acaba resultando em gagueira e mais tensão.

b) ele tira algum tipo de proveito desta preocupação, do tipo: "assim eles prestam atenção em mim."

Tudo isso são hipóteses e podem não representar a realidade. Deixo elas para voces pensarem, observarem um pouco mais e me mandarem suas opinões a respeito.

Fico aguardando noticias

Um forte abraço
Regina



Nome ou iniciais: nmc
Cidade/Estado: Curitiba/PR
Profissão: Engenheiro
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h42min

Pergunta:
Quanto à crença que "gagueira não tem cura"... Especificamente, no caso de ADULTOS, conheço fonoaudiólogos que também acreditam que não há cura. Eu, como gago, também acredito que não há cura p/ adultos atualmente, mas pode-se melhorar com tratamento... Tenho algumas perguntas:
1) Qual é o seu conceito de cura da gagueira?
2) Gostaria de saber quantos pacientes gagos ADULTOS já tratou e qual foi a porcentagem de cura? O meu conceito de cura é "ficar sem medo de falar em situações corriqueiras, não utilizando quaisquer técnicas de controle para falar e as pessoas não perceberem que já foi gago..."
3) Qual a porcentagem de ADULTOS que desistiram do seu método de tratamento?


Resposta:
MMC
O que é gagueira? São repetições de palavras, de frases, são prolongamentos de sons e de palavras, são bloqueios da respiração, é a interrupção brusca do fluir do discurso.

A partir do momento que o indivíduo passa a falar sem essas interrupções, não apresentando mais essas características na fala, podemos dizer que ele não gagueja mais. É uma questão de "rótulo". O termo "cura" em medicina significa não mais apresentar mais os sintomas. Em gagueira não vai ser diferente, se a gagueira é um sintoma típico de quem fala de uma determinada maneira, se não falar mais está curado. É simples...

Tenho uma longa vivência com o tratamento da gagueira. Ao correr destes anos tratei muitos gagos, alguns com sucesso e outros não. Infelizmente não levantei as estatísticas para responder à sua pergunta. Posso dizer, no entanto, que meu sucesso com o tratamento de crianças até os 10 anos de idade foi muito grande (cerca de 90% dos casos), o que não posso dizer que com o adulto se passe da mesma maneira.

Você bem que disse: "ficar sem medo". Aí está a chave: a criança não desenvolve ainda o medo de falar, o que talvez seja responsável pelo sucesso do tratamento.

Você disse:"não utilizando qualquer técnica de controle". Neste ponto eu discordo totalmente. O controle da fala é feita por todos nós, um feedback auditivo e proprioceptivo nos informa se falarmos errado para que possamos nos corrigir. É natural, faz parte do processo de falar. O indivíduo com gagueira ou curado dela também terá de usar esse controle.

Para a pergunta 3 posso dizer que não tenho números para acho que dessistem aqueles que não se sentiram a vontade com o método de tratamento ou não acreditaram nele ou não obtiveram sucesso rápido como queriam e mil outros motivos.

Siga em frente com sua curiosidade sobre a gagueira.

Um abraço
Regina



Nome ou iniciais: Cleonildes Vieira
Cidade/Estado: Rio de Janeiro/RJ
Profissão: Aux. Administrativo
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 15h43min

Pergunta:
A gagueira é algo muito prejudicial em nossa vida , principalmente na vida profissional, acredito nos tratamentos , mas são muito caros, gostaria de saber se existe algum lugar aqui no que possibilite um tatamento mais barato? Atenciosamento


Resposta:
Prezada Cleonides
Concordo com voce, é prejudicial não só na vida profissional como social e pessoal Não concordo que seja sempre caro. Existem Instituições que oferecem tratamento da gagueira a preços razoaveis. Porque não procura uma universidade que tenha o curso de fonoaudiologia ? Talvez lá voce consiga atendimento mais acessível.

No Rio de Janeiro temos as seguintes clinicas escolas:

1) Universidade Estacio de Sá; na Tijuca, na Barra da Tijuca e em Santa Cruz
2) Universidade Veiga de Almeida; no Maracanâ
3) Centro Universitário Moacyr Bastos; em Campo Grande
4) Universidade de Nova Iguaçu; em Nova Iguaçu.

Espero Ter ajudado
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Elaine Gonçalves
Cidade/Estado: São Paulo/SP
Profissão: Estudante de Educação Física
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h38min

Pergunta:
Prezada Drª Regina, Gostaria de saber se as técnicas de modificação da fala se adaptam de acordo com o grau de gagueira apresentado pelo paciente adulto. Obrigada!


Resposta:
Prezada Elaine
As tecnicas de modificação de fala são específicas para a gagueira em geral, mas dependendo do tipo de gagueira, elas podem variar.

Por exemplo: se a pessoa tem por habito prender o ar em certos fonemas, se for o caso de repetir a silaba inicial, ou repetir a primeira palavra das frases, pode haver caso de prolongar os sons, enfim, cada maneira de gaguejar necessitará de uma tecnica diferente ou de um conjunto de tecnicas. Por esse motivo é importante ter a avaliação de um fonoaudilogo para este determinar qual a tecnica que a pessoa necessita e a qual ela se adapta melhor.

Não se preocupe com o grau de gagueira, sempre há uma maneira de se modificar a maneira de flar.

Espero ter ajudado
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Fernando Ribeiro Anadrade
Cidade/Estado: Ipatinga/MG
Profissão: Psicólogo e Professor
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 17h39min

Pergunta:
Sou psicólogo e professor universitário, e principalmente em função da segunda atividade profissional, não foi nada fácil encarar o desafio de estar diante de uma sala de aula, uma vez apresentando gagueira. Atualmente me encontro um pouco mais adaptado e tendo alcançado um bom nível de respeito, mas mesmo assim confesso que a barra não é fácil. Fiz alguns tratamentos, todos na fase adulta, uma vez que durante a infância o acesso a especialistas era bastante complicado. Considero que a melhora foi considerável, apesar de nenhum dos profissionais da Fonoaudiologia com os quais tratei serem especialistas no tema gagueira. Gostaria de saber se é possível a indicação de profissionais em Belo Horizonte, ou quem sabe, em Ipatinga-MG, uma vez que ir até São Paulo seria um tanto difícil. Quero parabenizar pelo espaço criado e desejar sucesso a todos que fazem parte do projeto, assim como a todos aqueles que dele se beneficiam. Atenciosamente, Fernando Ribeiro Andrade

Resposta:
Prezado professor Fernando
Antes de mais nada gostaria de lhe dar os parabéns pela vitória conseguida. Não sei se considera seu nível atual de gagueira como uma vitória, mas eu que sei o quanto o medo tolhe as pessoas que gaguejam. Imagino a "barra", que deve ter sido no início de sua carreira como professor ter de dar aulas enfrentando o medo. Mas é essa "barra", como você diz, que torna sua jornada vitoriosa e eu volto a lhe congratular.

Acho que agora você podia fazer um tratamento voltado para técnicas de "fala fácil" onde o que se procura é suavizar os contatos articulatórios. Infelizmente sou do Rio de Janeiro e não posso lhe ajudar na procura de um profissional em Belo Horizonte ou em Ipatinga, mas tenho certeza que devem haver especialistas aí.

Siga em frente.... falta pouco

Atenciosamente
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Mário Cézar Rodriguez
Cidade/Estado: Belo Horizonte/MG
Profissão: Estudante
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 17h39min

Pergunta:
Fiz um tratamento com fonoaudióloga há pouco tempo, e ela me indicou exercícios para dar mais motricidade aos músculos da face. Até que ponto estes exercícios ajudam, já que não sentí diferenças significativas. Grato.


Resposta:
Prezado Mário Cezar
Em alguns casos os exercícios de motricidade ajudam, em outros não. Depende muito de cada profissional e do enfoque que estiver sendo dado. Gosto muito de exercícios para suavizar a musculatura oro facial.

Procure um meio termo.

Boa sorte
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: IFC Guedes
Cidade/Estado: Varginha/MG
Profissão: Fonoaudióloga
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 17h40min

Pergunta:
Cara Doutora, Qual é a relação da Gagueira com a Taquifemia?


Resposta:
Prezada colega
No meu entender a gagueira caracteriza-se pela interrupção do fluir do discurso em quantidade e em qualidade tal que leva o ouvinte a classificar quem fala como pessoa gaga. É uma medida bastante subjetiva, mas é o único parâmetro que temos até o momento.

A taquifemia (tachys, rápido + lalia, conversar ou falar) quer dizer velocidade excessiva de fala na qual sons, palavras ou partes das palavras são omitidos ou distorcidos.

Espero ter respondido sua pergunta, um abraço
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Rebeca L`Gall
Cidade/Estado: Petrópolis/RJ
Profissão: Professora/Escritora
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h40min

Pergunta:
Meu filho, que tem 23 anos de idade, gagueja desde os 4 anos. Fez tratamento psicológico e fonoaudiológico. Ele sofreu muito com o problema, chegando a abandonar os estudos. Porém, depois de adulto, começou a não se preocupar e retornou aos estudos, arranjou namoradas e já é pai. Bem, mas o mais interessante é que um certo dia, ele chegou perto de mim falando normalmente. Não gaguejou em nenhum instante, falando até mesmo sobre assuntos mais complexos, de termos que antes ele não falava direito. Estranhei e ele começou a rir e abriu a boca: ele havia "enchido" o céu da boca de leite em pó, ou seja, penso que evitava a passagem do ar em excesso, pois ele não gaguejou. Depois de tirar a "massa" de leite, ele voltou a gaguejar. Dra., minha pergunta é a seguinte: A gagueira pode ser proveniente de um problema no palato? Obrigada pela atenção. Rebeca L`Gall


Resposta:
Prezada Rebeca
É conhecida no histórico da gagueira que Demóstenes colocava pedrinhas redondas na boca para fazer seus discursos e conseguir falar sem gaguejar. Os estudos da gagueira mostram que qualquer alteração na maneira de falar, como ritmo (falar cantando as palavras), assim como modificações na estrutura oral (falar mastigando algo) mudam a gagueira trazendo fluência. Foi a partir dessas observações que muitos métodos de tratar a gagueira foram idealizados. Seu filho deve ter descoberto algo assim. Não acredito, pois, que exista alguma ligação com o palato, mas, sim, com todo o sistema de fala.

Podemos quase que afirmar sem medo de errar, que a gagueira seja o resultado de uma desorganização entre a respiração, a fonação e a articulação. As três funções necessárias à fala precisam estar em harmonia. Isto quer dizer que o ar que sai dos pulmões, a vibração das cordas vocais e a movimentação do palato, língua e lábios devem estar em sincronia perfeita para que haja fluência.

Espero ter respondido à sua pergunta e parabéns, seu filho é muito esperto!

Atenciosamente
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Vagner
Cidade/Estado: Sabará/indefinido
Profissão: Técnico em Informática
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h41min

Pergunta:
A gagueira é um distúbio mental? Existem pessoas que eu converso que eu não gagejo, mas existem outras e outros ambientes que eu gagejo, isso será por que?


Resposta:
Vagner
Não, a gagueira não tem nada a ver com as funções mentais. No meu entender é um distúrbio muito mais motor do que mental. Justamente por você não gaguejar toda a hora e a todos os instantes que podemos afirmar que não está ligado ao raciocínio e a atividades mentais. O melhor que você pode fazer é não procurar as causas da gagueira e partir para sua modificação.

Boa sorte
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: M M
Cidade/Estado: Irati/PR
Profissão: Comerciaria
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Não
Postado em: 17/03/2009 17h41min

Pergunta:
Gostaria de saber se pode haver cura em uma pessoa de minha idade, sendo que a causa de minha gagueira é um susto que levei aos 02 anos de idade.


Resposta:
M M
Qualquer idade é boa para tratar ou curar a gagueira. Não existem limites nem em crianças, nem em adultos.

A causa da gagueira é ainda um mistério, no mundo inteiro há pesquisas sobre isso com poucos resultados científicos aceitáveis até o momento. Presumir que a gagueira tenha surgido por causa de um susto, seria primário demais. Estamos todos levando sustos, as crianças se assustam facilmente.

Não questione a causa, procure tratamento, você tem tempo de sobra para isso.

Um abraço
Regina



Nome ou iniciais: cleber jose coelho
Cidade/Estado: Rio de Janeiro/RJ
Profissão: Administrador
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h42min

Pergunta:
Cara Dra. Regina, Meu neto, João Victor, é um menino saudável, com ótima educação e ambiente familiar. João desenvolveu um processo de gagueira que não é acentuado e embora esteja num processo de tratamento com Fonoaudióloga, me parece que o processo não está tendo um resultado aparente. Gostaria de obter orientação de como conduzir melhor esse processo de reabilitação, passo a passo, aqui no Rio, e, se possível com indicação de profissional com experiência específica para tratamento de crianças nessa idade. Atenciosamente, Cleber Coelho P.S. tomei conhecimento através do site www.abragagueira.org.br


Resposta:
Prezado Cleber
Você não me disse a idade de seu neto, mas de qualquer maneira vou logo informando que a gagueira na criança é debelada com muita facilidade. O tratamento, mesmo em criança, leva um certo tempo para produzir efeitos. Temos ótimos profissionais no Rio de Janeiro. A Associação Brasileira de Gagueira pode lhe ajudar. Tenho um livro publicado sobre a gagueira infantil. Procure o site da editora Revinter: www.Revinter pelo livro: Psicomotricidade, deficiência de audição, atraso de linguagem e gagueira infantil. Acho que você vai gostar de ler sobre o assunto.

Um abraço
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: DENIVALDO RUBENS FERREIRA
Cidade/Estado: uberlandia/MG
Profissão: engenheiro eletrico
Pessoa que gagueja? Sim
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h42min

Pergunta:
Assim que as trepidações sonoras (gagueira)começaram à influenciar no meu dia a dia, acordei que era tempo de lutar contra tal dificuldade tamanha que a todo instante estava atrapalhando a minha comunicação com meu semelhante. Foi ai que o destino fez com que eu conseguisse à dar a volta por cima, parcialmente porque ainda não me considero totalmente curado. Minha vontade de vencer foi maior que a barreira encontrada,a qual me impedia de comunicar livre e solto. Quando criança submeti a um tratamento com uma psicologa, no meu ver não confirmo a eficiencia deste para melhorar meu estado de gagueira, mas me deu impulso para enfrentar de frente o problema em questão. finalizando quero interar que concordo com os metodos acima mencionados, para enfrentar a gagueira,porem acrescentaria a necessidade de que o portador de tal deficiencia, teria de conseguir, ainda não sei como, a auto confiança de que esta intrusa trepidação sonora seja vista como uma coisa do passado. porque quando menos se espera ela marca sua presença, ainda que sua intensidade não mais prejudique como nos velhos tempos.

Resposta:
Prezado Denivaldo
Primeiro de tudo meus parabéns pela batalha vencida contra a gagueira. Isto prova que foi através de suas investigações internas, sua decisão de enfrentar o problema e também pelas modificações que deve ter feito na sua maneira de falar, que o possibilitou vencer o distúrbio.
Está talvez faltando trabalhar uma pouco mais sua auto confiança. Acreditar na possibilidade de resolver isso de vez. Pode ser que o medo de que o problema apareça novamente ou a qualquer momento, esteja dificultando você se considerar curado da gagueira. Lembre-se que todos nós, vez ou outra, experimentamos momentos de disfluencia, isto quer dizer que as pessoas costumam gaguejar ocasionalmente. Faz parte do dia a dia dos que não são chamados de "gagos". Eu mesma já tive momentos de não falar fluentemente, mas isso não me perturbou, levei como coisa natural e continuei o meu discurso. Procure não entrar em pânico nem se encher de preocupações se houver uma disfluência. Deixe para ficar preocupado se ela for em muita quantidade e sem o seu controle. Você já aprendeu a controlar a fala, falta agora saber diferenciar onde foi algo natural ou algo que ainda precisa de seu controle. Nós todos falamos de modo controlado, faz parte do nosso processo de comunicação. Também faz parte do processo de falar em público ter disfluências.

Quem sabe agora um tratamento com o fonoaudiólogo ajude?

Vá em frente com sua luta de vencer este problema.
Abraços,
Regina Jakubovicz



Nome ou iniciais: Pedro
Cidade/Estado: Belo Horizonte/MG
Profissão: Professor
Pessoa que gagueja? Não
Familiar de pessoa que gagueja? Sim
Postado em: 17/03/2009 17h43min

Pergunta:
Meu filho tem 16 anos. Aos 6 meses foi para a escolinha.Com 1 ano falava fluentemente sem nenhum problema. Não engatinhou antes de andar. Aos 3 anos começou a gaguejar. Mudamos de escolinha. Achamos que era muito certinha, que ficava enquadrando muito os meninos. Levamos para uma mais naturalista, mais liberal. Mas a gagueira persistiu. As vezes melhora que a gente acha que vai curar sozinha. Depois volta com uma intensidade grande. Quando ele sai as vezes volta emburrado. Mas ele não se abre sobre esse assunto. Já tentamos um psicologo uma vez mas não adiantou nada e acabamos desistindo. Ele agora está malhando e seu sonho é encorpar, ele é magro. Acho que na medida em que ele alcançar este objetivo e adquirir mais confiança (já está com 1,75 m) vai melhorar. O que você acha? Tenho resistencia com a fonoaudiologia. Acho que o problema é emocional e não de tecnica que possa melhorar o ritmo da fala e consequentemente a gagueira.


Resposta:
Prezado Pedro Você traçou uma curva de desenvolvimento típico da gagueira na criança. É assim mesmo. Aparece, não se sabe por que nem como, melhora, pode até sumir e depois surge novamente em momentos de pressão do meio ou da própria pessoa. Também é típico de quem gagueja não gostar de falar no assunto, o que indica que há necessidade de um tratamento que aborde a gagueira abertamente. Acabar com o sufoco... acabar com o sentimento engasgado na garganta. Colocar para fora para alguém que compreenda suas preocupações sobre a maneira de falar, sem culpas nem interpretações. Na minha experiência, seu filho precisa aprender técnicas para não gaguejar, que talvez não seja, necessariamente, um ritmo de fala diferente. O emocional é conseqüência, não é a causa da gagueira. Porque o indivíduo tem medo de falar, ansiedade e insegurança quando fala, ele desenvolve todo um esquema de emoções que não teria ou não terá mais quando não for mais gago. Acredito que seja possível acabar com a gagueira e, conseqüentemente, com a emoção que a alimenta.

Procure um fonoaudiólogo para experimentar ou pergunte ao seu filho o que ele acha. Vai ver ele concorda comigo.

Um abraço e boa sorte

Regina Jakubovicz



[ VOLTAR ]

Nome:      Email:      


Copyright © 2005/2017. Associação Brasileira de Gagueira - ABRA GAGUEIRA

powered by
ID360 NM